Clique no banner abaixo para comprar os livros de Hugo Goes

Maria, a Mãe da evangelização

Na cruz, quando Cristo suportava em sua carne o dramático encontro entre o pecado do mundo e a misericórdia divina, pôde ver a seus pés a presença consoladora da Mãe e do amigo. Naquele momento crucial, antes de declarar consumada a obra que o Pai Lhe havia confiado, Jesus disse a Maria: "Mulher, eis o teu filho!" E, logo a seguir, disse ao amigo bem-amado: "Eis a tua mãe!" (João 19, 26-27). Estas palavras de Jesus, no limiar da morte, não exprimem primariamente uma terna preocupação por sua Mãe; mas são, antes, uma fórmula de revelação que manifesta o mistério duma missão salvífica especial. Jesus deixava-nos a sua Mãe como nossa Mãe. E só depois de fazer isto é que Jesus pôde sentir que "tudo se consumara" (João 19, 28). Ao pé da cruz, na hora suprema da nova criação, Cristo conduz-nos a Maria; conduz-nos a Ela, porque não quer que caminhemos sem uma mãe; e, nesta imagem materna, o povo lê todos os mistérios do Evangelho. Não é do agrado do Senhor que falte à sua Igreja o ícone feminino. Ela, que O gerou com tanta fé, também acompanha "o resto da sua descendência, isto é, os que observam os mandamentos de Deus e guardam o testemunho de Jesus" (Ap 12, 17).

Papa Francisco, na Exortação Apostólica “Evangelii Gaudium”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário