Clique no banner abaixo para comprar os livros de Hugo Goes

Nossa Senhora de Fátima (100 anos)

Primeira aparição: 13 de maio de 1917.

Lúcia de Jesus, 10 anos, Francisco Marto, 9 anos e Jacinta Marto, 7 anos, após a Missa na igreja de Aljustrel, lugarejo de Fátima, foram pastorear o rebanho de ovelhas nas terras do pai de Lúcia, na Cova da Iria.

Após um como que clarão de relâmpago, num céu luminoso e sereno, sobre a copa de uma carrasqueira de metro e pouco de altura apareceu-lhes a Mãe de Deus.

Segundo as descrições da Irmã Lúcia, era “uma Senhora vestida toda de branco, mais brilhante que o sol, espargindo luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina, atravessado pelos raios do sol mais ardente”.

De acordo com os relatos da Irmã Lúcia, nesta primeira aparição, ocorreu o seguinte diálogo:

Nossa Senhora disse:
– Não tenhais medo. Eu não vos faço mal.
– De onde é Vossemecê? - perguntou Lúcia.
– Sou do céu.
– E que é que Vossemecê me quer?
– Vim para vos pedir que venhais aqui seis meses seguidos, no dia 13, a esta mesma hora. Depois direi quem sou e o que quero. Depois, voltarei ainda aqui uma sétima vez.
– E eu também vou par o Céu?
– Sim, vais.
– E a Jacinta?
– Também.
– E o Francisco?
– Também, mas tem que rezar muitos terços

Lúcia também perguntou sobre duas amigas suas que tinham morrido há pouco.

– A Maria das Neves já está no Céu?
Sim, está.
– E a Amélia?
Estará no purgatório até ao fim do mundo.

Então Nossa Senhora perguntou:
Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-vos, em ato de reparação pelos pecados com que ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?
– Sim, queremos.
Ide, pois, ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto.

Passados os primeiros momentos, Nossa Senhora acrescentou:
Rezem o terço todos os dias para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra.

E Nossa Senhora se elevou serenamente, subindo em direção ao nascente, até desaparecer no Céu.

Nas aparições, a Virgem Santíssima falou apenas com Lúcia. Jacinta só ouvia. Francisco não ouvia, mas apenas via.

Lúcia, Francisco e Jacinta

Segunda aparição: 13 de junho de 1917

Já com a presença de 50 pessoas na Cova da Iria, os 3 pastorinhos viram de novo o reflexo da luz (a que chamavam relâmpago), e em seguida, Nossa Senhora se aproximou da carrasqueira.

Lúcia perguntou:
– Vossemecê que me quer?
– Quero que venhais aqui no dia 13 do mês que vem, que rezeis o terço todos os dias e que aprendais a ler. Depois direi o que quero.

Lúcia pediu a cura de um doente. Nossa Senhora respondeu:
Se se converter, curar-se-á durante o ano.
– Queria pedir-lhe para nos levar para o Céu.
Sim, a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-se de ti para me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. A quem a abraçar prometo a salvação e serão queridas de Deus estas almas como flores postas por mim a adornar o seu trono.
– Fico cá sozinha?
Não, filha. E tu sofres muito por isso? Não desanimes. Eu nunca te deixarei. O meu Imaculado Coração será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá até Deus.

De novo, abriu as mãos e lhes comunicou o reflexo de intensa luz, como que submergindo-os em Deus. E na palma da mão direita de Maria estava um Coração cercado de espinhos que pareciam estar nele cravados. Era o Imaculado Coração de Maria ultrajado pelos pecados da humanidade, querendo reparação! Aos poucos essa visão se esvaeceu diante das vistas enlevadas dos três pastorinhos.

E Nossa Senhora, resplandescente de luz, subiu suavemente para o leste, até desaparecer.

Terceira aparição: 13 de julho de 1917

Momentos depois de terem chegado à cova da Iria, junto da carrasqueira, entre numerosa multidão de povo (três a quatro mil pessoas), estando a rezar o terço, os pastorinhos viram o reflexo da costumeira luz e, em seguida, Nossa Senhora apareceu.

Lúcia perguntou:
– Vossemecê que me quer?
Quero que venham aqui no dia 13 do mês que vem, que continuem a rezar o terço todos os dias, em honra de Nossa Senhora do Rosário, para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela lhes poderá valer.
– Queria pedir-lhe para nos dizer quem é, para fazer um milagre com que todos acreditem que Vossemecê nos aparece.
Continuem a vir aqui todos os meses. Em outubro direi quem sou, o que quero e farei um milagre que todos hão de ver para acreditar.

Nossa Senhora continuou:
Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes, em especial sempre que fizerdes algum sacrifício: “Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores, e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria”.

Ao dizer estas últimas palavras, Nossa Senhora abriu de novo as mãos como nos dois meses passados. O reflexo pareceu penetrar a terra e os pastorinhos viram como um mar de fogo. Mergulhados nesse fogo os demônios e as almas como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que delas mesmas saíam juntamente com nuvens de fumo caindo para todos os lados – semelhante ao cair das faúlhas em grandes incêndios – sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero, que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demônios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa.

Assustados e como que a pedir socorro, os pastorinhos levantaram a vista para Nossa Senhora, que com bondade e tristeza disse:
Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobre pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas, se não deixarem de ofender a Deus ... começará outra pior. Quando virdes uma noite alumiada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo de seus crimes por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre. Para impedir, virei pedir a consagração da Rússia a meu Imaculado Coração e a Comunhão reparadora nos primeiros sábados. Se atenderem a meus pedidos, a Rússia se converterá e terão paz; se não atenderem, a Rússia espalhará seus erros pelo mundo promovendo guerras e perseguições à Igreja; os bons serão martirizados; o Santo Padre terá muito que sofrer; várias nações serão aniquiladas. Por fim o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre consagrar-me-á a Rússia que se converterá e será concedido ao mundo algum tempo de paz. Em Portugal, conservá-se-á sempre o Dogma da Fé, etc. Isto não o diga a ninguém. Ao Francisco, sim, podeis dizê-lo. 

Aqui começa a terceira parte do segredo, escrita por Lúcia entre 22/12/1943 e 09/01/1944. Essa parte do segredo permaneceu desconhecida até 26 de junho de 2000. Nesta data, foi ela divulgada por determinação do Papa João Paulo II, nos seguintes termos (manteve-se a ortografia original do documento):

"J.M.J.
A terceira parte do segredo revelado a 13 de Julho de 1917 na Cova da Iria-Fátima.
Escrevo em acto de obediência a Vós Deus meu, que mo mandais por meio de sua Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e da Vossa e minha Santíssima Mãe.
Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais alto um Anjo com uma espada de fogo em a mão esquerda; ao cintilar, despedia chamas que parecia iam incendiar o mundo; mas apagavam-se com o contacto do brilho que da mão direita expedia Nossa Senhora ao seu encontro: O Anjo apontando com a mão direita para a terra, com voz forte disse: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos n'uma luz imensa que é Deus: “algo semelhante a como se vêem as pessoas n'um espelho quando lhe passam por diante” um Bispo vestido de Branco “tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre”. Vários outros Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas subir uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz de troncos toscos como se fora de sobreiro com a casca; o Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trémulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás outros os Bispos Sacerdotes, religiosos e religiosas e varias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições. Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal em a mão, neles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus."
Nossa Senhora continuou:
Quando rezais o terço, dizei depois de cada mistério: "Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem".

Seguiu-se um instante de silêncio. Então Lúcia perguntou:
– Vossemecê não me quer mais nada?
Não, hoje não te quero mais nada.

E, como de costume, Nossa Senhora elevou-se em direção ao nascente, até desaparecer no firmamento.

Quarta aparição: 19 de agosto de 1917

A parição não se realizou no dia 13 de agosto, na Cova da Iria, porque às vésperas da data, os três pastorinhos foram sequestrados e mantidos por três dias sob vigilância pelo Administrador de Ourém, que lhes desejava arrancar os segredos a eles confiados.

Libertos e estando, em 19 de agosto, a pastorear as ovelhas num lugar chamado Valinhos, Lúcia, Francisco e seu irmão João sentiram algo sobrenatural que os envolvia… E mandaram que João fosse chamar Jacinta. Lúcia e Francisco viram o reflexo da luz como um relâmpago e, chegada a Jacinta, um instante depois, Nossa Senhora apareceu sobre uma carrasqueira.

Lúcia perguntou:
– Que é que Vossemecê me quer?
Quero que continueis a ir à Cova da Iria no dia 13, que continueis a rezar o terço todos os dias. No último mês farei o milagre para que todos acreditem.
–  Que é que Vossemecê quer que se faça ao dinheiro que o povo deixa na Cova da Iria?
Façam dois andores; um leva-o tu com a Jacinta e mais duas meninas vestidas de branco; o outro que o leve Francisco com mais três meninos. O dinheiro dos andores é para  festa de Nossa Senhora do Rosário e o que sobrar é para ajuda duma capela que hão de mandar fazer.
– Queria pedir-lhe a cura de alguns doentes ...
Sim, alguns curarei durante o ano.

Nossa Senhora, tomando um aspecto mais triste, continuou:
– Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas.

E, como de costume, Nossa Senhora começou a se elevar em direção ao nascente.

Quinta aparição: 13 de setembro de 1917

Nesse dia, 25 a 30 mil pessoas acorreram à Cova da Iria. Todos queriam ver, falar e fazer pedidos às crianças para que apresentassem à Virgem. Junto à carrasqueira, começaram a rezar o Terço com o povo, até que num reflexo de luz Nossa Senhora apareceu sobre a azinheira.

Então, Nossa Senhora disse:
– Continuem a rezar o Terço para alcançarem o fim da guerra. Em outubro virá também Nosso Senhor, Nossa Senhora das Dores e do Carmo, São José com o Menino Jesus, para abençoarem o mundo. Deus está contente com os vossos sacrifícios, mas não quer que durmais com a corda [cilício], trazei-a só durante o dia.

Lúcia disse:
– Têm-me pedido para lhe pedir muitas coisas: a cura de alguns doentes, dum surdo-mudo.
Sim, alguns curarei, outros não. Em outubro farei o milagre para que todos acreditem.

E começando a elevar-se desapareceu, como de costume.

Sexta aparição: 13 de outubro de 1917

Já era o outono. Uma chuva persistente e forte transformara a Cova da Iria num lamaçal e encharcava a multidão de 50 a 70 mil peregrinos, vindos de todos os cantos de Portugal. Assim que chegaram os videntes, Lúcia pediu que fechassem os guarda-chuvas para rezarem o Terço. E, pouco depois, houve o reflexo de luz e Nossa Senhora apareceu sobre a carrasqueira.

Lúcia perguntou:
– Que é que Vossemecê me quer?
Quero dizer-te que façam aqui uma capela em minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o Terço todos os dias. A guerra vai acabar e os militares voltarão em breve para suas casas.
– Eu tinha muitas coisas para lhe pedir: se curava uns doentes, se convertia uns pecadores etc.
Uns sim, outros não. É preciso que se emendem, que peçam perdão dos seus pecados.

E tomando um aspecto mais triste, Nossa Senhora disse:
Não ofendam mais a Deus Nosso Senhor que já está muito ofendido.

E, abrindo as mãos, fê-las refletir no sol, e enquanto Se elevava, continuava o reflexo da sua própria luz a projetar-se no sol.

Dá-se então o milagre do sol, prometido três meses antes, como prova da verdade das aparições.

Chovera durante toda a aparição. Lúcia, no término de seu colóquio com Nossa Senhora, gritara para o povo: “Olhem para o sol!” Rasgam-se as nuvens, e o sol aparece como um imenso disco de prata. Apesar de seu intenso brilho, pode ser olhado diretamente sem ferir a vista. As pessoas o contemplam absortas quando, de súbito, o astro se põe a “bailar”. Gira rapidamente como uma gigantesca roda de fogo. Pára de repente, para dentro em pouco recomeçar o giro sobre si mesmo numa espantosa velocidade. Finalmente, num turbilhão vertiginoso, seus bordos adquirem uma cor escarlate, espargindo chamas vermelhas em todas as direções. Esses fachos refletem-se no solo, nas árvores, nos arbustos, nas faces voltadas para o céu, reluzindo com todas as cores do arco-íris. O disco de fogo rodopia loucamente três vezes, com cores cada vez mais intensas, treme espantosamente e, descrevendo um ziguezague descomunal, precipita-se em direção à multidão aterrorizada. Um único e imenso grito escapa de todas as bocas. Todos caem de joelhos na lama e pensam que vão ser consumidos pelo fogo. Muitos rezam em voz alta o ato de contrição. Pouco a pouco, o sol começa a se elevar traçando o mesmo ziguezague, até o ponto do horizonte de onde havia descido. Torna-se então impossível fitá-lo. É novamente o sol normal de todos os dias.

Multidão presente à aparição do dia 13 de outubro de 1917
Os prodígios haviam durado cerca de 10 minutos. Todos se entreolhavam perturbados. Depois, a alegria explodiu: “O milagre! As crianças tinham razão!” Os gritos de entusiasmo ecoavam pelas colinas adjacentes, e muitos notavam que sua roupa, encharcada alguns minutos antes, estava completamente seca. O milagre do sol pôde ser observado a uma distância de até 40 quilômetros do local das aparições.

Após 10 minutos de prodígio, tomou o sol o seu estado normal. Entretanto, os pastorinhos eram favorecidos com outras visões. Desaparecida Nossa Senhora na imensa distância do firmamento, os pastorinhos viram ao lado do sol São José com o Menino Jesus e Nossa Senhora vestida de branco com um manto azul. São José com o Menino Jesus pareciam abençoar o mundo, com uns gestos que faziam com a mão, em forma de cruz. Pouco depois, desvanecida esta aparição, os pastorinhos viram Nosso Senhor e Nossa Senhora que dava a ideia de ser Nossa Senhora das Dores. Nosso Senhor parecia abençoar o mundo da mesma forma que São José. Desvaneceu-se esta aparição e os pastorinhos ainda viram Nossa Senhora em forma semelhante a Nossa Senhora do Carmo.

Eis a história das aparições de Nossa Senhora na Cova da Iria em 1917.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

JESUS, Lúcia de. Memórias da Irmã Lúcia. Compilação de Luís Kondor. 17ª ed. Fátima - Portugal: Fundação Francisco e Jacinta Marto. 2015.

LEITE. Fernando. As aparições de Fátima. 18ª ed. Braga - Portugal: Editorial A.O. 2017

CRISTINO. Luciano Coelho. As aparições de Fátima: reconstituição a partir dos documentos.  Fátima - Portugal: Santuário de Fátima. 2017.

15 comentários:

  1. Nossa Senhora de Fátima, Rogai por Nós!

    ResponderExcluir
  2. Professor eu sou católico, mas fico em dúvida se devo acreditar totalmente na fé católica...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://www.youtube.com/watch?v=EGkBhyD3SB8

      Excluir
    2. As aparições são sinal da presença de Deus no mundo, mas não acrescentam nada à Revelação. Não são dogmas de fé e, portanto, os católicos não estão obrigados a acreditar nelas. No entanto, a Igreja, após longos processos de discernimento e verificação, reconheceu algumas aparições como válidas ou dignas de fé, mas não de fé divina, como o conteúdo da Revelação, e sim de fé humana.

      Excluir
    3. telesmarques não entendo : " eu sou católico, mas fico em dúvida se devo acreditar totalmente na fé católica...". Nesta frase resume-se que vc não é católico!!!

      Excluir
  3. Respostas
    1. OBTIDA A CONVERSÃO DE UM PECADOR DURANTE UM ÊXTASE

      Desconcertado com os fenômenos que aconteciam com Gema, Mons. Volpi (que se tornara bispo diocesano) encarregou o Pe. Germano de Santo Estanislau a analisá-los, tendo este chegado a aventar a possibilidade de nela praticar um exorcismo. Gema recebeu-o com alegria, e em meio ao jantar, pressentindo o êxtase, levantou-se ela e retirou-se para seu quarto. Alguns momentos depois, chamado pela irmã do dono da casa (onde Gema estava residindo) a adentrar o cômodo, o sacerdote deparou-se com a jovem em pleno êxtase, conversando com Jesus e instando-o a converter um pecador cujo nome pronunciava claramente: "Jesus, quero pedir-te por aquele pecador... Salva-o, Jesus! Por que não te compadeces dele? Não me levanto daqui enquanto não me prometeres que o salvas".

      Os pedidos se multiplicavam com insistência, mas parecia que Jesus dizia a Gema que aquele pecador já havia ultrapassado os limites: "Jesus, sei que ele cometeu muitos pecados, porém mais os cometi eu e tiveste compaixão de mim". E os pedidos continuaram, chegando a serem apresentados por intercessão de Maria Santíssima, até que chegou o momento em que Gema mudou de aspecto, e alegremente exclamou: "Salvou-se! Jesus, venceste! Triunfa sempre assim!"

      Já em seus aposentos, o Pe. Germano recebeu um pedido para atender uma pessoa que queria fazer a confissão: era o tal pecador convertido pelos pedidos de Gema. O sacerdote, ao fim da confissão, contou-lhe o que presenciara, obtendo permissão do penitente para divulgar o que com ele ocorreu.

      Excluir
  4. 6.Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.
    (Joao, 14.6)

    1.Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem.
    (Hebreus 11:1)

    8.Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
    9.Não vem das obras, para que ninguém se glorie;
    (Efésios 2:8,9)

    22.Isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.
    23.Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;
    24.Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.
    (Romanos 3:22-24)

    24 Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.
    (Joao, 5:24)

    31."E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo"
    (Atos 16:31)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando São Domingos estava pregando o Rosário perto de Carcassona, trouxeram à sua presença um albigense que estava posseso pelo demônio, parece que mais de doze mil pessoas tinham vindo ouvi-lo pregar.Os demônios que possuíam esse infeliz foram obrigados a responder às perguntas de São Domingos, com muito constrangimento. Eles disseram que:

      1 - Havia quinze mil deles no corpo desse pobre homem, porque ele atacou os quinze mistérios do Rosário;

      2 - Eles continuaram a testemunhar que, quando São Domingos pregava o Rosário ele impunha medo e horror nas profundezas do inferno e que ele era o homem que eles mais odiavam em todo o Mundo, isto por causa das almas que ele arrancou dos demônios através da devoção do Santo Rosário;

      Eles então revelaram várias outras coisas.
      * * *

      São Domingos colocou o seu Rosário em volta do pescoço do albigense e pediu que os demônios lhe dissessem quem de todos os santos nos Céus eles mais temiam, e quem deveria ser, portanto mais amado e reverenciado pelos homens.

      Nesse momento eles soltaram um gemido inexprimível no qual a maioria das pessoas caiu por terra desmaiando de medo...e eles disseram: " Domingos, nós te imploramos, pela paixão de Jesus Cristo e pelos méritos de sua Mãe e de todos os santos, deixe-nos sair desse corpo sem que falemos mais, pois os anjos responderão sua pergunta a qualquer momento...

      São Domingos ajoelhou-se e rezou à Nossa Senhora para que ela forçasse os inimigos a proclamarem a verdade completa e nada mais que a verdade.
      Mal tinha terminado de rezar viu a Santíssima Virgem perto de si, rodeada por uma multidão de anjos.Ela bateu no homem posseso com um cajado de ouro que segurava e disse: "Responda ao meu servo Domingos imediatamente" .
      Então os demônios começaram a gritar:

      "Oh, vós, que sois nossa inimiga, nossa ruina e nossa destruição, porque desceste do Céus só para nos torturar tão cruelmente? Oh, Advogada dos pecadores, vós que os tirais das presas do inferno, vós que sois o caminho certeiro para o Céus, devemos nós, para o nosso próprio pesar, dizer toda a verdade e confessar diante de todos quem é que é a causa de nossa vergonha e nossa ruina? Oh, pobres de nós, principes da escuridão: então, ouçam bem, vocês cristãos: a Mãe de Jesus Cristo é todo-poderosa e ela pode salvar seus servos de caírem no Inferno.Ela é o Sol que destrói a escuridão de nossa astúcia e sutileza. É ela que descobre nossos planos ocultos, quebra nossas armadilhas e faz com que nossas tentações fiquem inúteis e sem efeito.
      * * *

      Nós temos que dizer, porém de maneira relutante, que nem sequer uma alma que realmente perseverou no seu serviço foi condenada conosco; um simples suspiro que ela oferece à Santíssima Trindade é mais precioso que todas as orações, desejos e aspirações de todos os santos.
      Nós a tememos mais que todos os santos nos Céus juntos e não temos nenhum sucesso com seus fiéis servos. Muitos cristão que a invocam quando estão na hora da morte e que seriam condenados, de acordo com os nossos padrões ordinários, são salvos por sua intercessão.
      Oh, se pelo menos essa Maria (assim era na sua fúria como eles a chamaram) não tivesse se oposto aos nossos desínios e esforços, teríamos conquistado a igreja e a teríamos destruido há muito tempo atrás; e teríamos feito que todas as Ordens da Igreja caíssem no erro e na desordem. Agora, que somos forçados a falar, também lhe diremos isto: ninguém que persevera ao rezar o Rosário será condenado, porque ela obtém para seus servos a graça da verdadeira contrição por seus pecados e por meio dele, eles obtêm o perdão e a misericórdia de Deus

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Amém Marcelo de Sousa Lima!

      Excluir
  5. Amém, interceda por mim Nossa Senhora.

    ResponderExcluir
  6. Amém, interceda por mim Nossa Senhora.

    ResponderExcluir
  7. Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!!!

    ResponderExcluir
  8. NOSSA SENHORA DE FÁTIMA, ROGAI POR NÓS!

    ResponderExcluir