Clique no banner abaixo para comprar os livros de Hugo Goes

Senado faz enquete sobre cotas raciais nos concursos públicos

A Câmara dos Deputados também fez essa mesma enquete quando o projeto de lei (PLC 29/2014) estava tramitando naquela casa. O resultado da enquete da Câmara foi o seguinte:


Os deputados não deram a mínima para o resultado da enquete acima e aprovaram as cotas de 20% das vagas nos concurso públicos para candidatos negros.

Na enquete do Senado, os percentuais estão caminhando na mesma direção da enquete da Câmara. Provavelmente, nossos senadores irão "cagar" para o resultado da enquete.

Mesmo assim, é importante participarmos da enquete, para provarmos que nossos parlamentares estão na contramão da vontade do povo.

Nas eleições de outubro, daremos o troco.

Clique aqui para participar da enquete do Senado.

Depois de votar, você receberá automaticamente um e-mail de validação. Para que seu voto seja contabilizado é imprescindível que o link do e-mail seja validado.

15 comentários:

  1. Deveria ter concurso público para políticos.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. GOVERNO RACISTA!! NEGRO É UM SER HUMANO COMO OS DEMAIS. SÓ POR CAUSA DE SUA COR, SERÁ QUE ELES NÂO PODEM SER IGUAL OU SUPERIOR AOS BRANCOS EM TERMOS DE INTELIGÊNCIA?

    ResponderExcluir
  4. eu não sei para que eles fazem enquetes se não dá a mínima para o resultado.
    prof. por falar nisso estou com um dilema, eu sempre me declarei parda, minha mãe é filha de negro, temos a pele morena clara, e agora com essa história de cotas,que eu não concordo, tenho medo de se no futuro me declarar parda, como sempre fiz, ter algum problema, o que vc acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continue declarando da mesma forma. Afinal, a cor da pele é auto declaratória.

      Excluir
    2. O Brasileiro somos miscigenados, exceto os imigrantes, portanto uma lei segregacionista que visa à correção da mal educação da rede pública. Trata-se do "ilusionismo" principiante e populista. Se o candidato não tiver domínio pleno do programa jamais conseguirá sua vaga, mas se estiver o resultado poderá ser o êxito, bem como de todos os outros cotistas. O resto é balela e canção de ninar para boi dormir.

      Excluir
  5. Professor, vc tem alguma previsão para lançamento da 8ª edição do Manual de Direito Previdenciário ? Pois estou na dúvida se compro a 7° edição ou espero uma possível publicação da 8ª.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Professor avise pro povo da editora disponibilizar milhares de exemplares, pois a procura será muito grande.

      Excluir
    2. e eu tô dentro.

      Excluir
    3. Pode reservar uma pra mim! E professor, quero aqui fazer um apelo que certamente também é de muitos concurseiros: DISPONIBILIZE O LIVRO NO FORMATO DIGITAL TAMBÉM, PARA LEITURA EM COMPUTADOR, TABLET, ETC!

      Excluir
  6. Professor, dá para estudar pelo manual 7° edição mais as atualizações que estão aqui no seu blog para o concurso do INSS?

    ResponderExcluir
  7. professor qual o melhor livro para iniciantes fazer esse concurso do inss

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Manifesto de alguém não incluso nas cotas: Se o Brasil fosse menos racista e não tivesse uma imensa dívida para com os negros e afrodescendentes, essas cotas não seriam necessárias. Em um País não racista, essas pessoas teriam igual condição de estudo e igual condição no mercado de trabalho, já que a cor da pele não seria requisito para ser contratado ou não. Mas, o pensamento do brasileiro, principalmente do branco e sulista, está muito aquém de um pensamento racional e igualitário. A opinião da maioria das pessoas sobre as cotas só demonstra que demoraremos muito a ser um País que não precise de cotas. Diante do preconceito, às vezes explícito, às vezes camuflado, que por séculos emana deste País, sou sim a favor das cotas para os negros, como também sou a favor que se criem cotas para as mulheres. Assim como as cotas para os negros, a criação de cotas para as mulheres não significaria que elas são inferiores aos homens, mas que estão menos inseridas no mercado de trabalho por conta de uma cultura discriminatória. A isso a Constituição chama de Equidade e eu chamo de Justiça! Não faço parte do grupo ao qual se destinam as cotas, mas mesmo assim, sou a favor delas, e não me sinto prejudicada. Inclusive, acabo de passar em um concurso público da prefeitura de SP, em uma ótima classificação. Penso que se você estuda, não há motivo para temer as cotas.
    Ao invés de reclamar, estude!!!! Professor Hugo Goes, gosto muito do seu trabalho e agradeço este espaço de estudo, mas temos opiniões divergentes e preciso me manifestar.

    ResponderExcluir