Além de Bento XVI, a história lembra outros papas que renunciaram ou foram obrigados a fazê-lo:
  • São Clemente (88/97) –  após ser condenado ao exílio pelo imperador Domiciano, com trabalhos forçados nas minas de cobre de Galípoli, no ano 97, decidiu que os cristãos não podiam ficar sem um guia espiritual, renunciando em favor de Santo Evaristo.
  • São Ponciano (230/235) – foi exilado pelo imperador Maximino Trácio para a Sardenha (uma ilha do mar Mediterrâneo). Percebendo que jamais conseguiria retornar ao Vaticano, decidiu renunciar ao posto.
  • São Silvério (536/537) – foi deposto e aprisionado na Ilha Ponza. Silvério foi forçado a abdicar, assinando um documento no qual renunciava ao trono de São Pedro em favor de Vigílio.  
  • São Martinho (649/655) – foi condenado à morte pelo imperador Constante II. Após ser forçado a renunciar, teve a pena capital suspensa, sendo encarcerado e submetido a maus-tratos. Ele foi desterrado para a ilha de Naxos.
  • Bento IX (1032/1045) – Sagrado papa aos 20 anos, nada sabia sobre os deveres de um Papa e sua vida era um escândalo para a Igreja. O povo romano expulsou-o da cidade. Refugiou-se no Mosteiro de Grottaferrata. Ocupou o sólio de São Pedro em três ocasiões. Eleito em 1032, foi deposto em 1044. Recuperou o trono de Pedro em 1045, ano em que abdicou, para depois voltar em 1047 e ser deposto definitivamente um ano depois.
  • Gregório VI (1045/1046)  – Convenceu Bento IX a abandonar o pontificado. Bento IX entregou o pontificado a Gregório VI em troca de uma grande soma de dinheiro. Os bispos reunidos no Sínodo consideravam que o modo com que Gregório VI obtivera o pontificado era, claramente, um caso de simonia (ato de comprar ou vender bens espirituais) e intimaram-no a renunciar. Sem mais possibilidades de escolha, foi isso que Gregório VI fez. 
  • São Celestino V (1294) – Seu pontificado nem chegou a quatro meses: de 29 de agosto a 13 de dezembro de 1294. Sentindo-se pequeno diante dos desafios da política eclesiástica, abandonou o cargo e recolheu-se à vida eremítica.
  • Gregório XII (1406/1416) – Seu nome está ligado ao “Grande Cisma do Ocidente” (1378/1415), período em que tentaram ocupar o sólio pontifício dois – e, em dado momento, três – papas ao mesmo tempo. Durante esse período,  o Papa residia em Roma e o Antipapa residia em Avinhão, reclamando ambos para si o poder sobre a Igreja Católica. Posteriormente, surgiria outro Antipapa em Pisa. Gregório XII deixou claro que estava disposto a abdicar ao trono de Pedro, desde que os outros dois postulantes fizessem o mesmo. O cisma terminou no Concílio de Constança (realizado entre 1414 e 1418). Para acabar com o cisma, em 1416, Gregório XII apresentou sua carta de renúncia. Seu sucessor foi Martinho V. O papado foi restabelecido definitivamente em Roma.