No Brasil, a esquerda apoia a causa gay. Já na Venezuela, a esquerda acusa o candidato da oposição de ser gay.

Segundo informação da Folha de São Paulo, o candidato esquerdista Nicolás Maduro disse: “Eu, sim, tenho mulher, escutaram? Eu gosto de mulheres”. Em seguida, beijou a esposa, que estava no palanque, onde se encontravam também seus filhos e netos.

Maduro fazia uma insinuação sobre a sexualidade do candidato da oposição, o governador Henrique Capriles, solteiro de 40 anos.

Maduro, em 2012, chamou Capriles de "maricón" (gay), o que provocou protestos de ativistas, e agora também se refere a ele como "senhorito", por ele ser solteiro.