Depois da queda do muro de Berlim, a esquerda ficou meio sem discurso para continuar defendendo seu modelo econômico socialista, baseado na planificação da economia. Abandonando suas bandeiras históricas, agora a esquerda só se interessa por homossexualismo, abortismo, feminismo, marcha da maconha. E mais recentemente, a nova onda tem sido defender o Islamismo.

Aparentemente, defender Islamismo e, ao mesmo tempo, também defender homossexualismo, abortismo, feminismo, é algo contraditório. Mas talvez a nova estratégia da esquerda seja a destruição de todos os valores da moral tradicional judaico-cristã, e depois, quando tudo virar uma zorra, chama o Islã para botar ordem na casa. É a velha tática do “quanto pior melhor”.

É óbvio que nessa aliança tática entre Socialismo e Islamismo, um está querendo usar o outro, para atingir seus fins estratégicos. O difícil é saber se o Socialismo será engolido pelo Islamismo ou se o Islamismo será engolido pelo Socialismo. Ou será que estão pensando em construir um sociedade com base econômica socialista e base espiritual islâmica? Quem viver verá!
“Quando virdes, então, a abominação desoladora, de que falou o profeta Daniel, instalada no Lugar santo – o leitor entenda!
[...]
Aprendei da figueira a lição: quando seus ramos vicejam e as folhas começam a brotar, sabeis que o verão está perto" (Mateus 24, 15 e 32).