Com o encerramento da vigência da MP 922, como ficam os contratos temporários que foram celebrados durante o período em que a MP estava vigente?

A Constituição Federal responde:

CF, art.62

§ 3º As medidas provisórias, ressalvado o disposto nos §§ 11 e 12 perderão eficácia, desde a edição, se não forem convertidas em lei no prazo de sessenta dias, prorrogável, nos termos do § 7º, uma vez por igual período, devendo o Congresso Nacional disciplinar, por decreto legislativo, as relações jurídicas delas decorrentes. 
[...]
§ 11. Não editado o decreto legislativo a que se refere o § 3º até sessenta dias após a rejeição ou perda de eficácia de medida provisória, as relações jurídicas constituídas e decorrentes de atos praticados durante sua vigência conservar-se-ão por ela regidas.

EXPLICO
O mais provável é que o Congresso Nacional não edite tal decreto legislativo. Assim, os contratos temporários permanecerão válidos, mas não poderão ser renovados.