1º) O órgão interessado protocoliza um pedido de autorização junto ao Ministério da Economia. O pedido deve ser protocolizado até 31 de maio de cada ano, com vistas à sua compatibilização com o projeto de lei orçamentária anual para o exercício subsequente (Decreto nº 9.739/2019, art. 4º). Nesta fase, os concurseiros podem acompanhar o trâmite do pedido de autorização por meio do PROTOCOLO INTEGRADO.

2º) O Ministério da Economia autoriza a realização do concurso. Na autorização do Ministro da Economia para realização de concurso público, será fixado prazo não superior a seis meses para o órgão publicar o edital de abertura de inscrições para realização do certame (Decreto nº 9.739/2019, art. 40);

3º) Após a autorização, o órgão que solicitou e realizará o concurso deve contratar uma instituição organizadora de concursos;

4º) Publicação do edital. O edital do concurso público será publicado integralmente no Diário Oficial da União, com antecedência mínima de quatro meses da realização da primeira prova (Decreto nº 9.739/2019, art. 41, I);

5º) Prazo para inscrição dos candidatos;

6º) Aplicação das provas;

7º) Divulgação do gabarito preliminar;

8º) Prazo para recursos;

9º) Depois da apreciação dos recursos, publica-se o gabarito definitivo e o resultado final com a lista dos aprovados;

10º) Homologação do concurso. O prazo de validade do concurso, previsto no edital, é contado a partir da data da homologação. O concurso público terá a validade máxima de dois anos, contados da data de sua homologação  (Decreto nº 9.739/2019, art. 43)O prazo de dois anos poderá ser prorrogado uma vez, por igual período, caso haja previsão no edital do concurso público (Decreto nº 9.739/2019, art. 43, § 1º). Essa prorrogação depende de autorização do Ministro Economia (Decreto nº 9.739/2019, art. 43, § 2º).

11º) Convocação dos aprovados. Durante o período de validade do concurso público, o Ministro de Estado da Economia poderá autorizar, por meio de motivação expressa, a nomeação de candidatos aprovados e não convocados, que ultrapassem em até vinte e cinco por cento o quantitativo original de vagas (Decreto nº 9.739/2019, art. 28).